Ser Melhor

Ser Melhor

Conquiste a sua estrela

Livros & Literatura

Estado Secreto: Memórias de um Herói da Resistência Polonesa Durante a Segunda Guerra Mundial

Livro de memórias de um dos mais importantes agentes da resistência polonesa contra a ocupação Nazista na segunda guerra mundial ajudou a revelar os campos de extermínio para o mundo.

Em 1° de setembro de 1939 a Alemanha Nazista invade a Polônia de maneira que o exército polonês não teve nenhuma chance frente a avassaladora blitzkrieg, ou guerra rápida. Jan Karski, autor do livro, estava na frente de batalha polonesa e viu em loco todo o terror da ocupação de seu país. Este evento histórico dá início ao seu livro, "Estado Secreto", publicado em 1944 onde o autor revela suas memórias sobre o período e com atuou dentro e fora de seu país na resistência polonesa.

O governo Polonês no exílio e a resistência à ocupação

Com a ocupação nazista o antigo governo Polonês é transferido para Londres, formando um estado paralelo. A comunicação entre este governo no exílio e os membros da resistência dentro da Polônia foi uma operação de grande complexidade e perigo já que o regime nazista agia com mão de ferro sob toda a população. Jan Karski atuou, dentre muitas atividades, como ponte de ligação entre o governo no exílio e a resistencia polonesa.

A descrição do autor sobre as técnicas utilizadas na resistência e sua complexa teia de relacionamentos, que cresceu durante a guerra, são sensacionais. Dentre os diversos meios de cumprir as missões é interessante citar a corrupção de soldados, oficiais e burocratas nazistas. Diferente do que muitos acreditam, os alemães eram extremamente corruptos e por um punhado de dinheiro ou vantagens a obediência cega a Hitler desaparecia como fumaça. O discurso idealista da "raça pura ariana" não passava de propaganda para justificar um regime de assassinos e ladrões.

De passagem pela Alemanha Nazista

A propaganda, aliás, foi um dos grandes focos do regime nazista. Em certo ponto dos acontecimentos o autor tem de atravessar a Europa para chegar a Londres com documentos secretos da resitência e neste caminho é obrigado a atravessar a Alemanha nazista. Em Berlin, mesmo arriscando a própria vida, Jan resolve visitar um velho amigo a fim de sondar a situação dentro do país. Nesta visita ele descobre algo estarrecedor: a familia do amigo, antes liberais democratas, agora seguia religiosamente o pensamento nazista e tinha no Füher a figura do lider incontestável. A propaganda ostensiva dentro da Alemanha transformou pessoas razoáveis em asseclas de um regime pavoroso, inclusive encarando a política de segregação dos povos "não arianos" com algo natural.

O Gueto de Varsóvia e os campos de concentração

Talvez os capítulos mais perturbadores sejam os que descrevem a visita do autor ao Gueto de Varsóvia onde os poloneses Judeus eram mantidos separados do restante da população e de um campo de concentração, onde o autor descreve a maneira sádica com que os prisioneiros eram tratados e mortos.

Gueto de Varsóvia sendo construído
Gueto de Varsóvia sendo construído

No macabro relato Jan, antes de partir para o exterior em uma de suas missões, consegue, através do suborno de um guarda, a oportunidade de visitar um campo de concentração para ver o que acontecia lá dentro. A destrição que do que viu é absolutamente impactante e revoltante (como por exemplo as técnicas de extermínio utilizando cal virgem). Seu relato sobre o extermínio em massa de judeus foi das primeiras revelações sobre o que ocorrea dentro do regime. Ao ler os capítulos podemos ter uma noção mais clara do porquê dos alemães se envergonharem tanto das atrocidades nazistas, inclusive proibindo por lei simbolos nazistas no país.

Conclusão

Os poloneses resistiram à ocupação nazista durante cada segundo da guerra e não reconheceram as leis impostas pelos ocupantes, assim como muitos outros povos que também resistiram a ocupações estrangeiras. A resistência destes povos é uma lição para todos os dominados e explorados e pode ser um exemplo inclusive para nós, brasileiros. A a paciência e a perseverança são fundamentais contra a tirania de quem quer usurpar tudo que puder da população disfarçada de ideologia "purificadora".

O livro, além de ser um relato histórico de grande importância, irá agradar curiosos e estudiosos da Segunda Guerra Mundial, ativistas de diversas vertentes e amantes de biografias e história em geral.



Veja Também

As lendas do Rei Arthur de um ponto de vista feminino

As Brumas de Avalon e a magia das lendas

O que podemos aprender com a saga As Brumas de Avalon e como as lendas influenciam a nossa vida

O livro proibido!

Roberto Carlos em Detalhes - Sim, eu li a biografia proibida do "Rei"

Intitulado como ‘Rei’ da música brasileira pelas gravadoras em um tempo que praticamente não havia escolhas, Roberto Carlos tornou-se figura intocável e mitológica. O livro que o traz novamente ao estado de mortal foi o estopim da discussão sobre a liberdade de informação.