Ser Melhor

Ser Melhor

Conquiste a sua estrela

Livros & Literatura

Os cérebros de Isaac

Serão computadores cérebros eletrônicos ? Inaugurando uma nova seção no site, a intrigante discussão sobre a controversa comparação entre computadores e o cérebro humano
Dias atrás revolvendo alguns antigos livros, me deparei com uma saudosa coleção de revistas de contos ficção científica, a antiga Isaac Asimov Magazine, em sua breve vida de 25 números aqui no Brasil, levou seus inúmeros leitores aos mais fascinantes universos da vasta imaginação de diversos escritores, o nome do escritor dado à essa coletânea nada tem de surpreendente, uma simplória homenagem a um dos mais notáveis talentos do século vinte, avaliado pela sua versatilidade como pela criatividade, em minha opinião.

Isaac Asimov durante sua carreira produziu o impressionante feito de escrever mais de quinhentos livros, entre artigos, ensaios, contos, divulgação e ficção-científica. É vasta a tentação de versar sobre esse imenso e valioso material, que inclusive influenciou o cinema em adaptações como o "Homem Bicentenário", "Eu, Robô" e a própria saga de "Guerra nas Estrelas". Mas irei me conter em um magnífico e ousado ensaio onde retratou sobre o cérebro humano, (sutil conexão com o intuito do site), o texto é encontrado no livro Antologia (1958-1973). Neste artigo Asimov afirma que a diferença entre o funcionamento do cérebro e o do computador pode relacionar-se apenas à quantidade de componentes envolvidos, bem como esta conclusão otimista não deve ser tomada ao pé da letra, é um convite à reflexão sobre um aspecto da questão. Escrevendo em 1962, Asimov adotou o ponto de vista, então em voga, de que computadores e cérebros talvez funcionassem de maneira semelhante. Creio que até hoje muitos pensam assim, mas não acredito que seja um simples devaneio do mestre, explico-me.

O uso da expressão "máquinas de pensar" para caracterizar os computadores (então chamados "cérebros eletrônicos") denota essa confusão. As dificuldades à compreensão do cérebro eram atribuídas a problemas quantitativos e metodológicos: era imenso o número de circuitos a serem mapeados e limitações éticas impediam o uso de lesões propositais nessas pesquisas.

O aprofundamento dos estudos não só não eliminou essas dificuldades, mas criou novas, ainda maiores, que mudaram consideravelmente a forma de se encarar a questão. Computadores e cérebros não podem ser comparados, e a diferença entre ambos não é um problema de quantidade de informação ou de circuitos, nem de capacidade. Computadores são máquinas que executam instruções preparadas por programadores, as quais ficam estocadas em uma "memória" bem localizada; além disso, só são capazes de resolver certos tipos de problemas, que possam ser escritos sob a forma das chamadas funções recursivas (ou Turing-computáveis). A forma de funcionamento do cérebro é muito diferente. Nossa memória, por exemplo, não está localizada em um lugar preciso ¹.

As funções cerebrais não são facilmente discrimináveis e localizáveis anatomicamente, e a noção de "programa" simplesmente não tem sentido neste caso. A capacidade de aprendizado do cérebro e sua resistência a panes locais resultam de um funcionamento coletivo e integrado dos neurônios, organizados em redes fortemente interconectadas. Prova disso é que o "desligamento" de certo número de neurônios - perdemos centenas de milhares deles a cada dia - não afeta o desempenho do conjunto, o que mostra que o cérebro é dotado de grande redundância. Disso tudo resulta uma imensa plasticidade, ou seja, capacidade de modificar-se em resposta a interferências provenientes do ambiente, desenvolvendo mecanismos compensatórios inacessíveis a um computador. No nível atual dos nossos conhecimentos, a complexidade dessa "máquina" cerebral produz a imagem de uma imensa desordem, e os paradigmas da computação não servem para compreendê-la.

Alguns chegam a suspeitar de que jamais se saberá como o cérebro funciona. Afinal, dizem, talvez seja impossível entender isso utilizando a única ferramenta de que dispomos, que é o próprio cérebro, como uma cobra que morde o rabo.

¹Sobre esse assunto há um interessante espectro de teorias, uma relativamente recente e inovadora trata o sistema de armazenamento de informação e controle do cérebro como uma espécie de sistema complexo adaptativo, esse modelo adota uma interessante hipótese que sistemas compostos de muitos agentes independentes e correlacionados agiriam de acordo com premissas estruturais da teoria do caos, um assunto vasto que explorarei em outra ocasião.



Que tal compartilhar suas ideias?

Você é profissional da saúde ou educação e gostaria de contribuir para a comunidade com ideias e informações? Envie seu texto para faleconosco@sermelhor.com.br Clique aqui para mais informações sobre a publicação de textos no site Ser Melhor.



Veja Também

Os Fantásticos Livros Voadores de Modesto Máximo

Vencedor do Oscar 2012 de melhor curta animado, "The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore" ou em português "Os Fantásticos Livros Voadores de Modesto Máximo" me trouxe reflexões interessantes sobre o que é ler e o porquê de se inciar nesta seleta arte.

Como conversar com um fascista

O autoritarismo é algo onipresente em nossa sociedade mas em certos períodos ele aflora de maneira perturbadora. Como enfrentá-lo impedindo que domine nossas vidas?